Ejaculação Precoce

Esse é um dos problemas de índole sexual com maior incidência nos homens, no entanto, são poucos os que conseguem falar com o médico sobre tal afecção, o que é um erro bastante grave, já que esse tipo de problema possui solução.

A ejaculação precoce consiste na expulsão súbita do sêmen de maneira descontrolada. Isso afeta não somente ao homem, pois fere a capacidade viril de proporcionar prazer ao par, como também é um inconveniente em termos de relacionamento conjugal. Embora a maior parte dos casais compreenda que essa condição não é algo controlável, a tendência é ocasionar certo desconforto, uma vez que a condição atinge a satisfação da outra pessoa. Nessa situação, o homem não consegue controlar o reflexo ejaculatório – às vezes, ela ocorre antes mesmo de começar a penetração. É concebida como ejaculação precoce a condição na qual a liberação do sêmen ocorre antes de um minuto e meio.

Esse é o tipo de disfunção sexual com maior recorrência no homem, visto que afeta de forma habitual quase 30% da população masculina e pelo menos 67% dos homens registraram pelo menos um episódio de ejaculação precoce ao longo da sua vida. Essa não é uma disfunção que aconteça somente em homens de determinada idade, ou seja, a ejaculação precoce pode acontecer com indivíduos das mas variadas idades.

Embora não seja considerado um problema que afete a saúde do homem de forma importante, principalmente pelo fato de não ser causada por uma complicação física, é preciso recorrer ao tratamento a modo de compreender possíveis problemas psicológicos que possam estar afetando a estabilidade emocional ou o relacionamento com o seu par. A ejaculação precoce pode ser considerada a causa da infertilidade nos casais, caso o homem nunca consiga efetuar a ejaculação dentro da vagina de sua companheira.

Classificação da ejaculação precoce

A ejaculação precoce pode ser classificada como primária ou secundária. No que concerne à primária, a disfunção é mantida desde a adolescência e o homem nunca conseguiu efetuar uma relação sexual sem perder o controle da ejaculação. Esse tipo de ejaculação está associado à masturbação feita de forma inadequada, ansiedade por alcançar o orgasmo, falta de privacidade ou sentimento de culpa.

Já a ejaculação secundária afeta os homens que tinham controle do reflexo ejaculatório por um tempo, porém, ao longo do tempo, perderam essa capacidade. Normalmente, a secundária está relacionada com inatividade sexual prolongada, problemas emocionais, troca de par recente ou elevado grau de excitação.

Dentre a concepção de ejaculação primária ou secundária, é possível fazer uma segunda classificação acorde aos graus de gravidade, sendo eles 1, 2, 3 e 4. O grau 1 é o menos grave e de fácil correção; já o grau 4 determina um transtorno crônico.

Outra forma de classificação determina quatro tipos de ejaculação:

  • Permanente;
  • Adquirida;
  • Natural Variável

Causas e Sintomas relacionados à ejaculação precoce

No que se refere às causas, desde o ponto de vista neurológico, a ejaculação precoce pode estar associada à falta de sensibilidade dos receptores cerebrais de serotonina. Outra causa possível é a falta de regularidade de relações sexuais – os homens que praticam sexo com frequência apresentam maior controle das ejaculações. Algumas enfermidades do tipo psiquiátrico, como a depressão, transtorno bipolar, estresse pós-traumático, podem estar relacionadas à incidência da ejaculação precoce. O álcool e o tabagismo, assim como fármacos e drogas, podem ser causas da ejaculação precoce.

Em termos de sintomas, o homem perceberá a incapacidade de controlar a expulsão do líquido seminal antes de alcançar aproximadamente um minuto de penetração. Também perceberá que essa incapacidade é constante, ou seja, em todas as relações sexuais.

Tratamento da ejaculação precoce

Em caso de ser constatada a ejaculação precoce, o tratamento dessa disfunção inclui terapia psicológica, fármacos antidepressivos, tramal, anestésicos locais para tratamento da ejaculação precoce e práticas de relaxamento.

Entre os inúmeros medicamentos considerados ótimas alternativas para quem busca tratar desse problema, encontra-se o Priligy. Esse medicamento contém como ingrediente ático a dapoxetina. Ela age nos receptores de serotonina, auxiliando, assim, a manutenção do ato sexual por mais tempo. Para que esse fármaco entregue os resultados esperados, é preciso ingeri-lo entre uma e três horas antes da prática sexual. Assim como qualquer medicamento, Priligy possui efeitos colaterais, por isso, antes de iniciar um tratamento, consulte o médico e verifique com ele a melhor alternativa de tratamento para cuidar da ejaculação precoce.

A utilização de fármacos, terapia e outras alternativas de tratamento é algo fundamental para cuidar desse tipo de afecção. Por esse motivo, o homem precisa informar ao médico assim que perceber qualquer alteração no desempenho sexual, especialmente quando essa modificação inclui a incapacidade de controlar a ejaculação. O médico saberá qual tratamento é o mais indicado para a situação verificada pelo homem.